Inspirar para evoluir e caminhar com uma pegada mais leve

Gabriel Medina cria fundo que investe em créditos de carbono dos oceanos

carbono

Empreendimento visa créditos de carbono dos oceanos provenientes da recuperação de manguezais

O atleta de surfe Gabriel Medina, está de olho nos créditos de carbono dos oceanos.

O empreendimento de fundo de investimentos de Venture Capital pretende aportar startups que operem no segmento Web3.

O empreendimento

carbono
Os créditos de carbono dos oceanos são chamados de blue carbon – Foto: Reprodução/Pexels

O surfista Gabriel Medina juntamente com o empreendedor Ricardo Siqueira, lançaram um fundo de Venture Capital.

Os investimentos serão em startups que operem no segmento Web3, e ainda esse ano, 5 desses empreendimentos receberão aportes de até US$5 milhões, em dinheiro ou em propaganda.

De acordo com Medina, os investimentos serão para pre-seed em projetos de fantasy games de surfe e créditos de carbono.

Os créditos visados são os créditos de carbono dos oceanos.

De acordo com um estudo recente publicado na revista científica Frontiers, os manguezais são o segundo bioma que mais sequestra carbono, no Brasil.

Créditos valorizados

carbono
O bioma de manguezais são os que mais sequestram carbono – Foto: Reprodução/Pexels

As taxas de sequestro de carbono orgânico em solos de manguezais brasileiros são 15 a 30% maiores do que as estimativas globais recentes; e integrados na área do país, respondem anualmente por 13,5% do carbono enterrado nos manguezais do mundo. 

O sequestro de carbono na biomassa lenhosa dos manguezais brasileiros é 10% do acúmulo de carbono na biomassa lenhosa dos manguezais globalmente.

O interesse dos empreendedores nesse tipo de crédito, é devido a sua rentabilidade e menor custo.

O blue carbon, que vem da preservação dos oceanos e florestas, simultaneamente.

Isso ocorre, pois ao recuperar um manguezal, recupera-se dois biomas; as florestas e os oceanos.

Além disso, a reconstrução do ecossistema do manguezal tem menor custo, pois, na recuperação de um bioma florestal, por exemplo, é possível ter que atender até 38 espécies diferentes.

Já no bioma do mangue, a recuperação lida apenas com três espécies, comenta Medina.

Paixão pelos oceanos

carbono
O atleta Gabriel Medina – Foto: O Globo

A paixão pelos oceanos não é novidade na vida do surfista Gabriel Medina.

Ainda durante esse mês ele disputa o Championship Tour da World Surf League, em Saquarema, no Rio de Janeiro.

O circuito CT 2022 da WSL, o Rio Pro, começa a partir de quinta-feira, 23/6, com janela até o dia 30 de junho.

Em 2019, de acordo com os organizadores, o evento levou cerca de 40 mil pessoas por dia à Praia de Itaúna, gerando empregos temporários e renda para o município.

O evento também visa a sustentabilidade por onde passa. Pensando no meio ambiente e as ações para a sua preservação estarão presentes no Oi Rio Pro.

Haverá uma usina de separação de resíduos, além de educação ambiental nas escolas, e plantio de mudas de exemplares de vegetação nativa da região de Saquarema.

Fonte: Hardcore Brazil Journal

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Veja também

Receba GRÁTIS notícias no seu e-mail

Siga-nos nas redes sociais

Últimos artigos