Inspirar para evoluir e caminhar com uma pegada mais leve

Logística reversa: o que pode ser melhorado para ampliar a conservação do ambiente

melhorado

O Brasil tem feito progressos em relação à logística reversa mas ainda há muito a ser melhorado para a conservação do meio ambiente

Recentemente, o Brasil tem registrado progressos em relação à logística reversa.

Na última semana, a Associação Brasileira de Reciclagem de Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos (ABREE) comemorou a inauguração de centrais de logística reversa em capitais de 24 estados e no Distrito Federal.

Além disso, no início deste ano, o governo federal editou o Decreto nº 10.936, que desburocratiza procedimentos na Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), instituída pela Lei Federal nº 12.305, em 2010.

Logística Reversa no Brasil

a logística reversa
Foto: Reprodução/Pexels

Em termos objetivos, logística reversa é o fluxo pelo qual produtos, embalagens e outros resíduos sólidos saem das mãos do consumidor final e retornam ao seu local de origem: a indústria, ou seja, ela vai da coleta até a devolução dos resíduos ao setor empresarial.

Por meio dela, é possível realizar, por exemplo, as etapas de reaproveitamento e remanufatura dos produtos, proposta pela Economia Circular.

De acordo com o Dr. Edson Grandisoli, coordenador pedagógico do Movimento Circular, para que todo recurso que já está em circulação seja melhorado e transformado, com o objetivo de reduzir a produção de lixo e a poluição no planeta, é necessário que haja novos comportamentos individuais e coletivos.

Além disso, a adoção de processos como a reutilização, a reciclagem e a remanufatura dos produtos. Para que isso aconteça, um dos mecanismos fundamentais é a logística reversa.

Política Nacional de Meio Ambiente

logística reversa
Foto: Reprodução/Pexels

De acordo com a Política Nacional de Meio Ambiente (PNMA), poucos produtos estão sujeitos à logística reversa no país.

São eles: produtos eletroeletrônicos, pneus inservíveis, pilhas e baterias, óleo lubrificante, lâmpadas fluorescentes de vapor de sódio e mercúrio de luz mista, agrotóxicos vencidos bem como suas embalagens.

Através do último decreto federal, foram incluídos também os medicamentos vencidos ou em desuso.

No entanto, para que realmente funcionem as políticas de logística reversa, é necessário o engajamento de diversos setores.

Segundo Grandisoli, não se trata de um processo que está nas mãos de apenas um responsável, como uma empresa, cooperativa ou ONG, mas precisa contar com a participação de todos os setores envolvidos na produção, no consumo e na gestão dos resíduos.

Papel dos consumidores

logística
Foto: Reprodução/Pexels

Os cidadãos podem contribuir nesses processos, mas para isso devem ter acesso às informações sobre os procedimentos.

Para Grandisoli, os consumidores precisam descartar em local correto os resíduos provenientes dos produtos que utilizam; comerciantes devem facilitar o acesso a um local adequado de devolução dos produtos; e as indústrias devem recolher os resíduos descartados para reutilizá-los ou remanufaturá-los em forma de novos produtos.

Já o poder público deve colaborar na conscientização, na fiscalização de cada etapa bem como na criação de políticas públicas e linhas de financiamento que incentivem a adoção dessas práticas.

Por: Dr. Edson Grandisoli – Coordenador pedagógico do Movimento Circular

** ** Este artigo foi produzido por um autor independente e o texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal Sustentabilidade.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Veja também

Receba GRÁTIS notícias no seu e-mail

Siga-nos nas redes sociais

Últimos artigos