Inspirar para evoluir e caminhar com uma pegada mais leve

Parque Nacional Lagoa do Peixe um refúgio para aves migratórias

lagoa

Localizado no Rio Grande do Sul, o Parque Nacional Lagoa do Peixe é área de proteção para aves migratórias

O Parque Nacional da Lagoa do Peixe(PNLP) foi criado em 1986 primordialmente com o objetivo de proteger  as espécies de aves migratórias e as amostras dos ecossistemas litorâneos do Rio Grande do Sul, que dependem para seu ciclo vital.

Com bioma marinho costeiro, o parque abrange uma área de 36.721,71 hectares.

Vamos conhecer um pouco mais sobre as características e belezas do PNLP.

Ecossistema exclusivo

lagoa
Foto: Tripadvisor

O Parque Nacional da Lagoa do Peixe está localizado no litoral sul do estado do RS, abrangendo respectivamente os municípios de Tavares, Mostardas e São José do Norte. A unidade foi criada através do Decreto nº 93.546, emitido em 06 de novembro de 1986.

Atualmente é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Os ecossistemas presentes nesta estreita faixa de terra, e água, entre a Lagoa dos Patos e o Oceano Atlântico apresentam características que conferem à região atributos exclusivos não encontrados em nenhum outro lugar do planeta.

Essas particularidades, além de garantir fenômenos como a regulação do fluxo de água, troca de nutrientes entre terra e mar e a moderação de eventos extremos como inundações e secas, da mesma forma garantem o ambiente ideal para a alimentação e repouso de dezenas de milhares de aves migratórias durante seus voos anuais.

É graças à riqueza de alimento ofertada pelo encontro das águas da Lagoa do Peixe com o mar, que o maçarico-de-papo-vermelho, consegue alcançar os maiores pesos registrados em toda a costa Atlântica.

Biodiversidade

lagoa
Falcão Peregrino – Foto: Tripadvisor

O litoral do Rio Grande do Sul possui uma das maiores diversidades de fauna marinha e costeira do Atlântico Sul Ocidental, abrigando assim um grande número de espécies.

Dentre os principais grupos, destacam-se, por exemplo, as cinco espécies de tartarugas-marinhas, as sete de pinípedes e as 35 de cetáceos.

Além disso, há também o grupo das aves, que possui 661 espécies registradas no estado. Dessas, aproximadamente 15% são aves de hábitos marinhos e costeiros, incluindo espécies residentes e migratórias tanto do Hemisfério Sul quanto do Hemisfério Norte.

O parque possui atualmente mais de 275 espécies de aves registradas, entre migratórias e residentes.

Toda essa biodiversidade se explica devido ao encontro de duas importantes correntes marinhas, a corrente das Malvinas e a corrente do Brasil, no litoral gaúcho.

Como resultado, origina-se uma importante área de alimentação e reprodução de organismos marinhos.

Lagos e Banhados

patos
Foto: Tripadvisor

O Parque fica em uma extensa planície costeira arenosa, situada entre a lagoa dos Patos e o Oceano Atlântico.

Sua paisagem é composta por mata de restinga, banhados, campos de dunas, bem como lagoas de água doce e salobra, além de praias e uma área marinha.

Apesar da denominação, Lagoa do Peixe é, na verdade, uma laguna, por causa da comunicação com o mar. É relativamente rasa, com 60 centímetros de profundidade em média.

A área é um berçário para o desenvolvimento de espécies marinhas, como por exemplo, o camarão-rosa, tainha e linguado, e atrai varias espécies de aves, que encontram na lagoa e em suas marismas farta alimentação.

É através da abertura da barra da lagoa do Peixe que este ecossistema se mantém, assim como também diversas populações, animais e humanas.

Fauna e Flora

lago
Foto: Tripadvisor

A vegetação esta representada por espécies características de solos arenosos e com alto teor de salinidade, como por exemplo, a macela-graúda, o brejo-da-praia e a espartina.

Na mata de restinga, a formação vegetal incluída nos domínios da Mata Atlântica, encontram-se espécies como figueiras, cambuís e canelas, bem como árvores menores, arbustos espinhosos e cactos. Juncos e gramas-brancas crescem nos banhados.

O local é habitat para mamíferos, entre os quais capivaras, lontras e tuco-tucos, bem como, o jacaré de papo amarelo.

As águas salobras repletas de plânctons, crustáceos e peixes atraem bandos de aves de várias partes do continente.

Do Chile e da Argentina chegam flamingos, as batuíras de coleira-dupla, de peito-avermelhado e de papo-ferrugíneo; ainda mais, da América do Norte migram mais de dez espécies de maçaricos, batuíras e o trinta-réis-boreal.

O maçarico-de-papo-vermelho , originário do Hemisfério Norte, viaja todo ano para a América do Sul. Em março, chega à lagoa do peixe, parada estratégica, para o retorno ao Ártico que se inicia em abril.

Fonte: Parque Nacional Lagoa do Peixe ICMBio

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Veja também

Receba GRÁTIS notícias no seu e-mail

Siga-nos nas redes sociais

Últimos artigos