Inspirar para evoluir e caminhar com uma pegada mais leve

Apenas 6 estados já implementaram o Programa de Regularização Ambiental (PRA) de forma efetiva

Por Rafael Feldmann, especialista em Direito Ambiental e sócio da Cascione Pulino Boulos Advogados

Em vigência há quase uma década, o Código Florestal busca conciliar o desenvolvimento sustentável, a preservação de áreas de vegetação nativa e o crescimento e relevância do agronegócio no contexto nacional. No entanto, tais instrumentos devem ser implementados em esfera estadual. Ou seja, dependem de regulação legal, implementação e investimentos constantes dos estados em recursos técnicos e humanos. Segundo estudo de dezembro/2020 da Climate Policy Initiative, até o momento, apenas 6 estados já implementaram o Programa de Regularização Ambiental (PRA) de forma efetiva, com projetos de recuperação em andamento.

A manutenção e, especialmente, a regularização ambiental de propriedades rurais é apoiada por 2 instrumentos desse diploma legal: (1) Cadastro Ambiental Rural – CAR e o próprio PRA. O CAR é registro eletrônico obrigatório para imóveis rurais, descrevendo sua situação ambiental e o PRA consiste em programa transitório em que os responsáveis por imóveis de uso consolidado podem, em prazo determinado e mediante a assinatura de termo de compromisso, recuperar as propriedades que possuam reserva legal e áreas de preservação permanente aquém do exigido pela lei, sem a aplicação de multas.

Vale ponderar que as metas climáticas do Brasil ao Acordo de Paris estão diretamente associadas à eliminação do desmatamento ilegal, de modo que o setor do agronegócio é cada vez mais cobrado, nacional e internacionalmente, a se posicionar sobre a regularidade ambiental de toda sua cadeia produtiva.

Assim, na contramão dos compromissos efusivamente anunciados internacionalmente, caminhamos para a vergonhosa marca de quase uma década do Código Florestal, sem conseguir implementar efetivamente esse diploma nem mesmo em metade dos estados brasileiros.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Veja também

Receba GRÁTIS notícias no seu e-mail

Siga-nos nas redes sociais

Últimos artigos